quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Nutrientes essenciais na gestação


Uma dieta variada, com alimentos de todos os grupos, é essencial para qualquer pessoa manter-se saudável. Na gestação, esta recomendação deve ser seguida à risca: quanto mais colorida e diversificada for a alimentação, maior a chance de ser nutritiva e garantir tudo o que mãe e filho precisam nesta fase.

Alguns nutrientes, por desempenharem papel fundamental na saúde da mãe e do bebê, ganham destaque e, portanto, não podem faltar no dia-a-dia da gestante:

Macronutrientes:

PROTEÍNAS:

A necessidade proteica é maior nos últimos meses de gestação devido ao crescimento e ganho de peso do bebê, desenvolvimento da placenta e tecidos maternos. É necessário consumir, em proporções adequadas: carnes, aves, peixes, ovo, feijões, leite e seus derivados.

GORDURAS:

Participam da formação das células, além de permitirem o aproveitamento das vitaminas lipossolúveis (A, D, E e K), que necessitam estar associadas às gorduras para serem absorvidas pelo organismo. Portanto, as gorduras saudáveis (insaturadas), de origem vegetal, devem estar presentes na dieta e em maior proporção do que as gorduras saturadas (origem animal).

CARBOIDRATOS:

Ao contrário do que diz o senso comum, o carboidrato não é o responsável pelo ganho de peso, se consumido com moderação e nas proporções adequadas para cada organismo. Dietas com restrição ou quantidade insuficiente de carboidrato levam à produção de corpos cetônicos, que são prejudiciais ao bebê.

Os grãos e cereais integrais, por exemplo, além de serem mais nutritivos, liberam a energia dos carboidratos ao poucos, o que promove maior saciedade, bem estar e disposição para a mãe ao longo do dia. Além disso, são mais ricos em fibras, necessárias para normalizar a função intestinal da gestante, que pode sofrer com o intestino "preguiçoso" neste período.


Micronutrientes: vitaminas e minerais

VITAMINA A: famosa por fazer bem à visão. No entanto, ela também protege o corpo, atuando no sistema imunológico e influencia a expressão genética, o crescimento e a reprodução, sendo, portanto, indispensável na alimentação da futura mamãe.

VITAMINAS DO COMPLEXO B: presentes nos grãos, principalmente nos integrais, estas vitaminas são necessárias para a formação de células e desenvolvimento do sistema nervoso do bebê, além de vitais para a produção de células do sangue. Deste grupo, destaca-se o ácido fólico, pois ele é essencial para a divisão e formação das células cerebrais e da medula espinhal. Por este motivo, recomenda-se a suplementação de ácido fólico nos meses que antecedem a gravidez, a fim de prevenir defeitos na formação do tubo neural do feto.

VITAMINA C: responsável pela construção e reparação dos tecidos, cicatrização e resposta imune. Quando consumida na mesma refeição que contenha alimentos ricos em ferro, a vitamina C auxilia na absorção deste mineral. As principais fontes são as frutas cítricas e os vegetais folhosos verdes crus.

VITAMINA D: junto com o cálcio e o fósforo, participa da construção de ossos e dentes. Também contribui para o crescimento e é fator de proteção para mãe e bebê. É produzida pelo organismo através da exposição ao sol e é encontrada em alimentos como gema de ovo, fígado, vegetais verde escuros e amarelos, leite etc. Sua suplementação também é recomendada nesta fase.

VITAMINA E: antioxidante, protege contra a ação dos radicais livres, que provocam desgaste das células. Presente em alimentos fonte de gordura, como os óleos vegetais.

CÁLCIO: durante a gestação e amamentação, a necessidade deste
mineral é maior, uma vez que ele é necessário para a formação dos ossos do bebê. A principal fonte são o leite e seus derivados, mas está presente também em alguns alimentos de origem vegetal.

FERRO: este mineral dá a estrutura para as células do sangue, participando do transporte de oxigênio pela corrente sanguínea. Também está associado ao crescimento do nenê, já que participa da formação de proteínas que construirão o corpo do bebê. Mesmo sem menstruar nesta fase, a necessidade de ferro da gestante é maior a partir do 2º trimestre da gravidez. O consumo de carnes vermelhas e de feijões é necessário.

ZINCO: este mineral é muito importante no trimestre final da gestação, quando o crescimento do bebê é mais acelerado. O zinco é responsável pela formação de proteínas e da carga genética - DNA e RNA. Presente em alimentos de origem animal, como carnes e laticínios, principalmente.

É muito importante comer de forma variada e balanceada durante a gestação para que haja ingestão de todos os nutrientes em proporções adequadas para suprir tanto as necessidades da mãe como as do bebê, e garantir seu pleno desenvolvimento.

Somente um nutricionista pode elaborar um Plano Alimentar individualizado, direcionado à cada organismo e contextualizado dentro do estilo de vida da gestante e acompanhar o ganho de peso. Além disso, este profissional irá orientar a futura mamãe sobre a alimentação específica mês a mês e o período de amamentação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário