segunda-feira, 25 de abril de 2011

Auto-aceitação

Este é mais um dos conceitos básicos do Health at every size.

A proposta acredita na:

- diversidade natural de tamanhos, formas e pesos corporais

- ineficácia e no perigo das dietas radicais

- importância de reaprender a comer em resposta aos sinais internos de fome e de saciedade

- contribuição de fatores emocionais, sociais e espirituais para a saúde, tanto quanto os fatores físicos.

Um Nutricionista especializado pode orientá-lo (a) a planejar refeições mais saudáveis e ajudá-lo (a) a desvincular fatores emocionais e psicológicos do ato de se alimentar. Desta forma, um peso "natural", mais adequado, pode ser alcançado.

"Fitness metabólico": você sabe o que é isso?

Uma nova abordagem americana, Health at every size, em inglês: "Saúde em qualquer tamanho", tem como base diversas premissas sobre obesidade e controle de peso.

Uma delas é o "fitness metabólico", que depende principalmente da sensibilidade à insulina, ou seja, que este hormônio funcione adequadamente carregando o açúcar para dentro das células para que não ele fique "sobrando" no sangue (causando hiperglicemia, pré-diabetes ou diabetes).

Esta premissa parte do princípio que uma pessoa obesa que tenha resistência à insulina, não precisa ficar magra para que este parâmetro melhore e sim, com uma alimentação adequada e atividade física regular, consegue melhoras significativas em seu metabolismo.

Uma alimentação mais saudável pode ser obtida com a ajuda de um Nutricionista, que pode elaborar um Plano Alimentar individualizado para cada caso.

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Padrões atuais de beleza

Marta Rocha
1m70
58kg
IMC = 20 kg/m2
Ideais atuais de beleza
1m79
52kg
  IMC = 16 kg/m2





Para os padrões atuais, a Miss Brasil Marta Rocha (IMC representando peso normal) seria considerada “gordinha” ou como estando “acima do peso”. O normal passou a ser visto como excessivo, e o desnutrido, como normal.

Algumas pessoas, são magras por sua constituição genética. Contudo, o que não pode ser aceitável é que um padrão de magreza excessivo seja cultivado e perseguido a todo custo pelas mulheres, de forma que uma constituição física de uma minoria (magreza natural) seja imposta a uma sociedade onde predomina grande variedade de formas e tamanhos corporais!

Anos 2000

Solange Frazão

Com a ascensão dos corpos mais musculosos como padrão de beleza, 
especulou-se que a ditadura da magreza tivesse chegado ao fim.
Porém, as curvas que deveriam ser finalmente aceitas
não são naturais, e sim, resultado de intensa “malhação”, o que,
para muitas mulheres, pode ser pior do que uma dieta rígida,
representando uma dura exigência. Outra ditadura se instala.


   Se existe tanta diversidade de tamanhos, formas, tons de pele entre os indivíduos, não seria incoerente elegermos um padrão de beleza?  

Desta forma, estabelecendo determinadas características como ideais, sempre haverá pessoas marginalizadas, o que gera elevada insatisfação, baixa auto-estima e sensação de fracasso.













quinta-feira, 21 de abril de 2011

Padrões de beleza ao longo da história

O padrão de beleza vigente é fator determinante na aceitação ou rejeição de certas características físicas por parte das mulheres, principalmente. Fortemente presente nas sociedades, ele sofreu grandes mudanças nos últimos tempos.

Até os séculos XVIII e XIX, um corpo largo, curvilíneo e com mais gordura era sinônimo de fertilidade e de boa saúde. O papel da mulher era ser mãe: era então necessário ter saúde para reproduzir. 



As três graças - Rubens - séc. XVII
 

Primeira metade do século XX

Com o impacto econômico das duas grandes guerras mundiais,
a mulher teve de tomar lugar na indústria, em substituição aos homens ausentes.

Surge a figura da mulher produtiva, financeira e sexualmente independente,
como resultado da I Guerra Mundial, onde perderam seus maridos.


A partir disso, ocorre a primeira grande mudança no padrão de beleza
do século XX: novas vestimentas e costumes aparecem como liberdade de expressão.

A partir da década de 30 

Surge a idéia de que a beleza é algo mutável, que se pode produzir e conquistar. Nesta época, cremes e dietas já se popularizam.

Décadas de 60 e 70

Com as revoluções estudantis e movimentos feministas, o padrão de beleza começa a mudar: a magreza é cada vez mais valorizada. “Fazer dieta” já faz parte das preocupações e práticas da mulher desta época. Entretanto, nos Estados Unidos, da década de 70 para a de 90, a prevalência de obesidade só foi aumentando.



Cindy Crawford
Décadas de 80 e 90

              As “manequins” passam a ser chamadas de “modelos”, termo que impõe certo impacto sobre as mulheres, o que determina um padrão a seguir. As supermodelos são consideradas divinas, famosas, ricas e felizes.